Dane-se

.

 

Nasci careta, conservadora, antiga. O peito não pode sentir nada diferente que a mão traduz. Alguns questionam minhas palavras, crucificam ser “tão pensativa”. “Dane-se” foi tudo o que eu sempre quis dize-los. Alguém tem que ter um pouco de questionamento nas palavras, de intensidade na vida, de amor nas mãos. Não da para viver pra sempre na superficialidade de conversar triviais. Tenho um coração.

 

 

Vazio

large

 

Já é Junho e posso contar nos dedos quantas vezes abri meu coração nesse blog. Acho que tem se tornado cada vez mais difícil abrir o coração, encarar o silêncio, escrever com verdade. Tem sido difícil por a cabeça no lugar, parar. E o que eu mais desejo agora talvez seja saber parar, dar um freio na vida, respirar tranquilidade. Não tenho lágrimas nos olhos a algum tempo, o mesmo tempo que desbotei os cabelos, desocupei os armários e despi os pudores. De qualquer forma, não consegui evitar paixões, expectativas, o vazio no peito. E é esse vazio que não quero mais abraçar a noite, que não quero sambando no meu coração. É a falta do depois que ainda sinto.