refazer caminhos

Um pouco da vida a gente vive pra dentro, um pouco da vida a gente vive pra fora. Porque as vezes é preciso destruir  algumas certezas e refazer os caminhos. É preciso caminhar novas estradas.  As vezes é necessário distrair-se olhando novas paisagens, as vezes é necessário parar de pensar tanto, de sistematizar as coisas, de por sentimento demais em tudo. A vida muitas vezes requer praticidade, leveza, requer não esperar nada das pessoas e dos dias. As vezes são necessários sonhos, doces e gentis. Entre outras tantas é necessário enchergar a realidade e aceitar o que está a mesa: um prato vazio, um coração vazio, mas dias preenchidos de outras belezas. É necessário enchegar outras belezas em dias iguais, em corações diferentes. É preciso ser mudança, e ao mesmo tempo morada.

mantra

Eu só queria deixar registrada a minha fraqueza. E sinto sim vontade de chorar nesse momento. Essa coisa de ser forte não tem me caido bem nos últimos dias. Mas continuo em frente, não é assim que se faz? Talvez eu só precise respirar fundo e contar até 10 pra ter um fôlego novo. Vou escolher um mantra pra viver “as coisas são como tem que ser…”, “não se culpe pelo que fez ou deixou de fazer” e repetir e repetir, repetir. Será que melhora? Já dizia Liz Gilbert: “despois de um tempo tudo acaba passando…”

meu encontro

Então hoje eu entendi que preciso olhar mais pra dentro de mim, e saber o que quero realmente das coisas e pessoas que cruzam meu caminho. Viver de uma sequência de acontecimentos, coincidências ou do destino não é algo assim tão confortante. Vamos esperar sempre que um deles nos diga qual a direção certa? Para onde devemos ir? Ou viver eternamente achando que vamos tropeçar na felicidade no meio da rua, sem se quer ter o trabalho de pensar no que nos faz feliz, no que realmente nos faz feliz. Acho que me perguntar “pra onde eu quero ir?” “com quem quero estar” são perguntas que ainda tenho que responder a mim mesma. Não posso achar que arrumar um namorado e ser amada eternamente é a saida de todos os meus problemas. Isso é bom, amar, ser amada, mas estar e ser feliz não pode se resumir nisso.

Acho aquela teoria de quem planta colhe interessante, a das borboletas no jardim também e percebi que a maioria das relações erradas que eu mesma atrai para a minha vida foi por ou tê-las começado de uma maneira errada, ou por conduzí-las desta forma. Eu sei e entendo que muitas vezes o fiz querendo ser livre, inconsequente ou achando “vai que da certo”. Mas não deu. Não tem dado. E é por isso que preciso de uma pausa. Que preciso, como diria Marla de Queiroz, “desabitar os habitos”, olhar pra dentro, enchergar minhas verdades, abraçar a solidão, bastar-me. É tempo de travesia.

Próximoooooo

Ta ficando chato falar tanto de homem. Porque sempre tem uma amiga que se decepciona com um cara, outra que foi enrolada não sei quanto tempo, e inúmeras dessas coisas. Também não tiro o corpo fora. Quem nunca esteve nessas ciladas?! Mas esta ficando cansativo isso tudo, esta ficando entediante. Homens varrendo a mulherada por ai, e a gente, um bando de otarias, se derretendo pra um filho da puta que não fez nada de demais pra gente se apaixonar por ele. Andamos tão carentes assim que qualquer 0,50 centavos de atenção damos nossos corações de bandeja? Me pergunto se ta faltando homem que preste mesmo, ou se a gente anda carente excessivamente que não consiga ver que “nem tudo que reluz é ouro”.

Também quero desabafar: NÃO TENHO SACO PRA JOGO DE SEDUÇÃO. Fingir uma coisa quando se quer outra, mentir ali, aqui, fingir que não sabe que ele ta ficando com outra, fazer aqueles joguinhos clichês. Ah, que saco! Zero paciência pra essas coisas. Se você é difícil é taxada como “cu doce” se você se joga na aventura e vive o momento é “fácil”. Vá entender. Definitivamente não aguento mais essas coisas. Vamos pular pro próximo assunto?