pra disfarçar a solidão

Não basta dizer que uma hora a gente termina cansando de festas e farras, a gente se cansa de não ter ninguém, de não ter uma história que dure mais de algumas semanas. A gente cansa de ver o tempo passar e não pertecer a nenhum abraço, a nenhum pensamento. Em especial a gente se cansa de tanta maquiagem, pra disfarçar solidão, mesmo sabendo que as melhores coisas acontecem sem maquiagem, com o cabelo um pouco bagunçado pelo vento e a roupa mal escolhida as pressas. Todas sabemos que o que importa é com quem estamos e não onde estamos, que caminhar sozinho é mais difícil, que divir o peso da vida e das frustações é melhor. Mas meu Deus, onde estamos errando? É porque demostramos interesse demais? Porque demostramos interesse de menos? O guia da conquista que me perdoe, estou cansada de jogos e adivinhações. Definitivamente não nasci pra isso e toda essa baboseira, nem pra conversas mornas sobre celular e marca de roupa. Onde estão as pessoas de verdade? Alguém que converse profundamente sobre coisas simples, sem complicações. Por onde anda o coração das pessoas que fingem não ter um?

É pouca mesa de bar pra tanto coração partido, é muito sorriso pra pouca verdade e muito assunto pra pouca conversa. Cansei.

Anúncios

sobre perder o equilíbrio

Então, depois de tanto tempo sem uma pausa, meu coração pediu: “descansa um pouco”. Dei o tempo que foi preciso para que algumas feridas curassem, para que alguns fantasmas se afastassem, para (re)aprender a estar em paz comigo mesma. E sai por ai distribuindo sorrisos economizados, conhecendo pessoas, “aproveitando” o momento. Fui, fui e continuei indo. Uma festa é bom, duas é maravilhoso, na terceira meu coração já queria voltar para casa, já se perguntava o porque de tanta festa, onde eu tinha me perdido entre tanta gente. E comecei a sentir saudade de mim mesma, da minha essência, de ler, de escrever, de vir aqui. Existe algo, dentro de mim, que não me permite ir muito além nas modernices de hoje em dia, que me mantém assim careta, que me traz de volta os sonhos, que coloca o meu pé de volta no chão e diz “é aqui o seu lugar”. As vezes perder o equilíbrio, me faz lembrar quem eu sou, quando esqueço. Me faz gostar mais de mim quando volto.