contentar-se com a realidade

http://weheartit.com/

 

Tem sido menos “cult” viver assim de realidade em realidade, posso dizer até que tem sido menos poético. Mas tem sido mais confortável caber no momento presente, saber-se sem receios e mágoas, aceitar a realidade e viver nela.

“É melhor, muito melhor, contentar-se com a realidade; se ela não é tão brilhante como os sonhos, tem pelo menos a vantagem de existir.” Machado de Assis

Não é que eu tenha desistido dos meus sonhos, das minhas vontades e me contente com a realidade dura e fria. Mas é menos assustador admitir que não se vive em contos de fadas e menos frustrante até.  É que viver tem disso, ao mesmo tempo que nos bate na cara com um sofrimento, nos alisa a pele ao conquistarmos nossas metas. Nem é só de magia, nem só de tristeza. Tenho tentado deixar todo meu lado dramático de lado um pouco, estou exercitando o desapego e começando pelo drama. E me pego dizendo “vai lá drama, me deixa de lado, me liberta um pouco”. Tenho encarado a vida de frente, as vezes ela me sacode e diz “acorde meu bem, viver é isso” e as vezes eu sacudo ela e digo “acorde meu bem, viver não pode ser só isso”. O importante mesmo é que fizemos as pazes, andamos de mãos dadas e mesmo que nos decepcionemos uma com a outra a gente não larga a mão, a gente não desiste.

Anúncios

diante das perdas

http://weheartit.com

Então, falando de amor, percebo como, em alguns momentos, agi errado, mesmo quando queria acertar. E embora eu tenha aprendido que se doar é o ato mais sublime que se possa fazer, descobri que há nele outros tantos, que se tecem, se entrelaçam que dão sentido. Então, com tudo que aprendi posso dizer algumas coisas que jamais terei o desprazer de repeti-las, mesmo desesperadamente apaixonada, porque aprendi nesse tempo que por mais apaixonada que eu esteja não posso amar alguém mais que a mim mesma, e por mais sofrimento que eu sinta, nenhuma tristeza é tão duradoura que um dia não acabe.

Então lá vai… Se o cara acaba contigo as 5h da tarde de um sábado, por telefone, depois de anos de namoro, a única coisa que você tem que dizer a ele é “é isso que você quer?” e acredite se ele disser que sim diga gentilmente “está bem então, nos falamos depois.” . NÃO GRITE, não chore, não esperneie, essas coisas não adiantam nada, não trazem ele de volta e ainda fazem você se sentir mais rasa que o chão quando sua consciência voltar pro lugar num susto qualquer. Chore, grite e esperneie em colos cheios de carinho e compreensão, ligue pra uma amiga, 2, 3, 20 se for preciso. Se elas não estiverem disponíveis conte no telefone, chore na distância e conte a história repetidas vezes, você tem que entender, você tem que aceitar.

Se depois de acabados, você descobre que ele está com aquela biscate, que ele sempre disse que era biscate, acredite não ligue para cobrar, passar na cara, nem para dizer que ele é um idiota. Uma das coisas que aprendi é que o silêncio e indiferença atingem mais uma pessoa do que gritos e ofensas. Eu sei que dói, eu sei que você quer matar ele, ela, e todo mundo. Mas confie não adianta, ele não vai dar a mínima, e você, de quebra, sai de doida.

Ai então você descobriu que ele te traiu? Acho que essa nem precisa de explicação. Ainda ouço dizer por ai “será que existe alguém fiel?”. Querida, se você continuar com o que te traiu, nunca vai descobrir.

O que quero dizer a vocês, amadas, é que “Tudo passa, depois de um tempo tudo acaba passando.” (Elizabeth Gilbert), não vale chorar demais por alguém que não vale a pena. Eu entendo que dor nenhuma vai passar do dia pra noite, que por mais que, no fim, ele tenha sido um safado, ou não, vai ver ele só quis ser sincero, não se humilhe demais. Porque depois de algum tempo você vai querer ter sido a mulher fatal que não foi. Vai pensar “por que não fiz isso no lugar daquilo?”. A minha sugestão é ANOTE!! Eu estou a fazer aqui… decido hoje que amarei a quem quiser ficar, mas na ausência de vontade da mesma, deixarei partir sem receios, a vida que toma é a vida que dá. Posso até chorar no conforto do meu escondido, ou num carinho de um abraço, mas jamais pedirei que fiquem, nem reivindicarei qualquer pedaço de amor dado, e a solidão não é assim assustadora. Estar só pode ser uma ótima oportunidade de desejar coisas melhores, respirar outros ares e se sentir feliz com você mesma.

Acho que nas nossas relações, mesmo quando estamos apegados demais a alguém sentimos os sinais de que não era por ai que a banda deveria tocar. Se você sente isso, não tenha medo de escutar seu coração, ele sempre sabe quando está sofrendo por algo que não deveria. A coisa mais bonita que você pode fazer por você é se permitir saber que não esta no controle de nada, de um jeito puro e simples Deus se encarrega de cruzar os olhares, os sorrisos e os amores. Não tem nada tão bom que Ele não leve, que já não esteja guardado um melhor. O que você pode fazer é se descabelar e sofrer por não entender porque tudo acabou, ou sentir a perda, sofrer em braços confortáveis, mas assumir que “tudo passa” depois de um tempo, e agir com coragem e dignidade diante das perdas.

precisa-se de um porto

http://weheartit.com

Então, as vezes, preciso desabar, porque não tenho essa força toda que as circunstâncias exigem. As vezes precisa-se de um porto, de uma mão, um braço, uma palavra ou um silêncio que conforte. Precisa-se de outros olhares e uma conversa profunda. Preciso dizer que ser o equilíbrio de algo maior que eu é tão cansativo, e que vivo com essa sensação de não poder desabar porque sou a força e me sinto responsável em segurar a barra. Tenho dado minha mão, mesmo que ferida e tenho calado nas horas mais difíceis, me finjo de forte e me escondo no meu casulo de tudo e todos.

E preciso chorar um pouco as vezes, porque minha fé falha, minha cabeça baixa e meu coração estremece diante da vida, dos outros, das mentiras e das verdades. E então preciso fugir, mesmo que não tenha pra onde…

acordar em novembro

http://weheartit.com/

Então o ano anuncia seu fim. Vejo bolas vermelhas, como maçãs, nos supermercados. Vejo pessoas contando os dias pro Natal, pro Carnaval e me lembro que o ano se despede de mim a passos apressados. Fiquei presa a qualquer detalhe do ontem que não me permitiu ver o ano passar e foi um susto dormir em março e acordar em novembro. Lembro que fiz planos logo que este ano acordou e com cuidado escrevi cada um deles numa lista não muito longa. Estão todos lá, intactos. As vezes,com medo que a vida esteja passando depressa demais, abro minha agenda, olho para eles, e me certifico “será que vai dar tempo?”. Ainda é novembro e para alguns talvez dê tempo e para outros não dê. Por mais que seja primavera, acredito que algumas flores só brotam no verão.

E talvez a sensação, muitas vezes, seja de um tempo que não deu frutos quando olho apenas aqueles planos tão cheios de métricas e prazos. Mas vi o ano dar frutos que não sonhei, vi desabrochar beleza nas palavras, nas pessoas. Mesmo assim vi o meu coração fazer as pazes com a minha cabeça e os dois andarem de mãos dadas, e mesmo que eu não tenha desejado isso, me realizo ao ver que aqui, agora, mora paciência e leveza. Hoje meu coração é calmaria, minhas palavras consolo e meu sorriso espelho. Esse ano que se despede, embora não tenha obedecido a praticidade da vida moderna, me fez ganhar um pouquinho mais de vida, quando me doei aos que, como eu, precisavam de amor.